Big Data e Supercomputadores: Fundamentos do cibercomunismo

Autor: Paul Cockshott
Tradutor: Diego Sestito

Essa é uma tradução do artigo “Big Data and Super-Computers: foundations of Cyber Communism” do cientista da computação e marxista escocês Paul Cockshott. O artigo original pode ser lido aqui:
Artigo original

Eu estarei elaborando as seguintes teses:

  • A inabilidade do socialismo do século XX avançar para o comunismo, levou a crise da URSS.
  • O comunismo requer um estágio definido de desenvolvimento tecnológico.
  • Esse estágio só foi alcançado no final do século XX.
  • O problema de adequação técnica não pode ser entendido somente em termos humanistas de “Abundancia”, ou em termos de “Reino da necessidade”.

No processo, abordarei o que considero como equívocos sobre o comunismo por parte dos soviéticos, antes de analisar os estágios de transição necessários para que uma economia moderna alcance o comunismo.

O que é um modo de produção

O socialismo é um modo de produção?

A definição padrão, derivada de Stalin, é que um modo de produção é uma combinação entre as forças produtivas e as relações de produção:

Modo de produção = forças produtivas + relações de produção.

Isso foi resumido por Stalin como segue:

“Porém as forças produtivas não são mais do que um dos aspectos da produção, um dos aspectos do modo de produção, o aspecto que reflete a relação entre o homem e os objetos e as forças da natureza empregados para a produção dos bens materiais. O outro fator da produção, o outro aspecto do modo de produção, é constituído pelas relações de uns homens com outros, dentro do processo da produção, pelas relações de produção entre os homens.” [19]

Essa tem sido a ortodoxia, mas eu penso que ela está errada. Outro significado do termo “Modo de produção” é, de acordo com Marx, o modo de produção material. Este modo de produção, de acordo com o prefácio de Marx de 1857, condiciona a vida social e política. As relações de produção só devem ser adequadas às forças produtivas:

“Na produção social da sua vida os homens entram em determinadas relações, necessárias, independentes da sua vontade, relações de produção que correspondem a uma determinada etapa de desenvolvimento das suas forças produtivas materiais. A totalidade destas relações de produção forma a estrutura económica da sociedade, a base real sobre a qual se ergue uma superstrutura jurídica e política, e à qual correspondem determinadas formas da consciência social. O modo de produção da vida material é que condiciona o processo da vida social, política e espiritual.  [12]

Essa concepção havia sido exposta por Marx dez anos antes, na sua famosa frase:

“O moinho de mão dar-vos-á a sociedade com o suserano; o moinho a vapor, a sociedade com o capitalista industrial.” [11]

Nessa concepção, a característica essencial da produção capitalista é a sua indústria de maquinas (machine industry), produção por meio de maquinas “motorizadas” (movidas a vapor). Mas isso deve nos dar uma pausa para pensar, o socialismo também não é caracterizado pela produção por meio de maquinas, pelo uso de formas artificiais de energia?

Lembre-se que Lenin expressou essa mesma ideia quando deu a seguinte equação:

Socialismo = Soviets + Eletrificação

Como a diferença entre energia a vapor e energia elétrica é secundaria, e sabendo que economias capitalistas também usam eletricidade, o ponto importante é que capitalismo e socialismo compartilham do mesmo modo de produção.

Nós podemos resumir isso em duas equações que definem o modo de produção:

Modo de produção capitalista = indústria de maquinas movidas a energia.
Modo de produção socialista = indústria de maquinas movidas a eletricidade

Portanto o modo de produção socialista é um subconjunto do modo de produção por maquinário – Que utiliza grades elétricas a nível nacional. Por isso o primeiro objetivo da URSS foi criar o plano de eletrificação GOELRO.

Capitalismo e socialismo não se diferenciam tanto no seu modo de produção quanto em suas relações sociais.
Relações de produção capitalista = Produção de mercadoria + Propriedade privada + Trabalho assalariado + anarquia de mercado
Relações de produção socialista = Produção de bens de consumo + Propriedade pública + Trabalho assalariado + planejamento.

As diferenças principais são que:

1- As relações de produção socialistas podem restringir a forma-mercadoria ao mercado de bens de consumo.  Dentro do setor público não existe mudança de posse, pois os meios de produção vão de uma fábrica do estado para outra, portanto esses bens não são mercadoria.
2- A economia socialista substitui a propriedade privada pela publica.
3- Ela (a economia socialista) substitui a anarquia de mercado pelo planejamento diretivo.
Essas são diferenças nas relações de produção, mas não no modo de produção.

Marx vs URSS sobre o comunismo

Marx, no Critica ao programa de Gotha apresenta um processo de três estágios de transição para o comunismo:

  • Capitalismo
  • Comunismo de primeiro estágio, sem mercadorias ou dinheiro, sem proprietários privados, pagamento em “tokens” de trabalho, de acordo com o trabalho realizado. Serviços públicos pagos por um imposto de renda sobre a renda do trabalho.
  • Comunismo de segundo estágio, pagamento de acordo com as necessidades, famílias maiores, receberiam rendas maiores.

Note que mesmo no primeiro estágio, Marx assume a abolição do dinheiro. Também existe – contrariando as impressões espalhadas originalmente por Bukharin – nenhuma menção em Marx da ideia de que todos os bens irão ser distribuídos de graça em um sistema comunista. Distribuição de acordo com as necessidades é baseada em uma avaliação objetiva de necessidade – serviços de saúde gratuitos podem estar disponíveis para quem precisa, mas cirurgias cosméticas não. Agora deixe-me contrastar essa esquematização com o que se tornou a ortodoxia soviética, derivada dos textos de Bukharin mencionados anteriormente e de Stalin[18]. Novamente nós temos um modelo de 3 estágios:

  • Capitalismo
  • Socialismo: Mercadorias e dinheiro são mantidos, propriedade do estado + cooperativas, pagamento de salários em dinheiro de acordo com o trabalho feito e o status desse trabalho, impostos indiretos sobre vendas, não imposto de renda fornecem a principal receita do estado
  • Comunismo: Produção de mercadorias substituída por troca, distribuição gratuita de muitos bens, propriedade estatal total.

A diferença principal é que os Soviets identificaram o primeiro estágio do comunismo com algo muito menos radical: Socialismo. Eles esqueceram que Socialismo foi uma tendência muito mais ampla do que o comunismo, e que um capitulo inteiro no Manifesto Comunista foi dedicado a explicar como os comunistas eram diferentes dos socialistas. O socialismo da União Soviética foi essencialmente o socialismo de 1902 do revolucionário Karl Kautsky[17,10]. Todos os elementos chave estavam nesse trabalho de Kautsky. A pretensão de que uma economia monetária socialista era a mesma coisa de que uma economia comunista não monetária era uma exposição falsa.

Por que a URSS não alcançou o comunismo?

As bases materiais e técnicas do comunismo serão construídas até o final da segunda década (1971-80), garantindo uma abundância de valores materiais e culturais para toda a população; A sociedade soviética irá se aproximar de um estágio onde introduzira o princípio de distribuição de acordo com as necessidades, e irá transacionar gradualmente para uma forma de propriedade-publica. Assim, uma sociedade comunista irá, em seu principal, ser construída na URSS. A construção da sociedade comunista será totalmente concluída no período subsequente
(Programa CPSU 1960)

A URSS em 1960 era ainda muito ambiciosa. Eles tinham um cronograma muito otimista para ultrapassar os EUA e em muitas indústrias-chave esse objetivo foi de fato alcançado.  A transição para o comunismo era vista somente em termos de quantidade de produção, não em termos de mudança das relações sociais. A eletrificação era ainda vista como um desenvolvimento técnico chave:  A eletrificação, que é o pivô da construção econômica da sociedade comunista, desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de todos os ramos econômicos e na efetivação de todo o progresso tecnológico moderno. Portanto, é importante assegurar o desenvolvimento prioritário da produção de energia elétrica. É notável que nenhuma atenção foi dada a tecnologia da informação como uma tecnologia que possibilitaria o comunismo.

Quão bem eles realmente se saíram? A tabela 1 mostra que em seu objetivo principal de produção elétrica a URSS já em 1990 estava se saindo melhor do que os melhores países capitalistas europeus alcançaram um quarto de século depois.

Tabela 1: Comparação do energia disponível para diferentes economias convertido em equivalentes de esforço de trabalho humano per capta. A suposição é que um trabalhador manual poderia fazer 216 KWh por ano de trabalho.

AnoGwhTrabalho humano
equiv per capta
China2014566500019.2
EUA2014433100063.1
EU2014316600019.7
URSS1990172800027.3
URSS1940480001.2
URSS193188000.3
Russia191313000.0
GB201433800024.8
GB1907613207.3

Isso era energia suficiente para o comunismo?

E quanto a produção de comida?
Quão bem se saiu a URSS em alcançar seus objetivos aqui?
Muito bem de acordo com a tabela 2

Tabela 2: Comparação da produção de alimentos fonte de proteína na União Soviética com o Reino Unido, Brasil e EUA. Note que para todas as categorias a URSS possuía números melhores.

AnoCarneLeiteOvos
KgKgUnidades
URSS198869375299
Brasil19884996163
RU198855265201
EUA198858
EUA1990236
EUA1995259
Fonte, base de dados[14] FAOSTAT e USDA.

Era comida suficiente para o comunismo?

Mas o crescimento soviético diminuiu seu ritmo. A era Kureschev havia assumido que o país continuaria com crescimento exponencial e definiu o comunismo em termos de se alcançar crescimento exponencial. O pressuposto de crescimento exponencial era irrealista. O crescimento real não pode ser exponencial por muito tempo, é inevitável que comece a desacelerar. Crescimento real tende a seguir uma curva logística como essa:

curva-logistica

O comunismo de Kruschev minimizou a mudança social

Em uma sociedade comunista não haverá classes, e as distinções socioeconômicas, culturais e nas condições de vida, entre cidade e campo irão desaparecer; o campo irá se elevar ao nível da cidade em desenvolvimento das forças produtivas e da natureza do trabalho, nas formas das relações de produção, nas condições de vida e no bem-estar da população.

(Programa CPSU 1960)
Mas o programa concreto não deu nenhuma medida para abolir as classes ou abolir dinheiro e mercadoria. Quando a impossibilidade de manter o crescimento de 10% se fez sentir, isso foi visto como uma falha do comunismo, uma vez que a mudança social não estava em seu núcleo. Se a sociedade não estava progredindo, ele falhou em inspirar as pessoas e no final da década de 80, comunistas não podiam mais resistir às pressões da ideologia capitalista

Os teóricos burgueses disseram que o comunismo era impossível

Von Mises

Somente dinheiro proveem uma base racional de comparação de custos. Calculo em termos de tempo de trabalho é impraticável por causa dos milhões de equações que necessitariam ser resolvidas

Hayek

O mercado é como um sistema de telefonia trocando informações para manter a economia funcionando. Somente o mercado pode resolver problema de informação dispersa.

Existe uma verdade limitada nisso. O Comunismo de Marx não era ainda possível em 1960 devido a limitações no processamento de informação. O primeiro estágio do comunismo de Marx presumia:

  • Nenhum dinheiro
  • Calculo em termos de tempo de trabalho e valor de uso
  • Pagamento em créditos de trabalho

Mas, para calcular o conteúdo de trabalho de todo bem, era necessária a solução de milhões de equações. Os computadores de 1960 não eram poderosos o suficiente. Isso teve efeito nas limitações do socialismo soviético.

Dinheiro era ainda necessário para o cálculo econômico mesmo no setor planificado. Havia um problema de agregação no planejamento que exigia a definição de objetivos monetários. Havia uma incapacidade de lidar com planos desagregados em todos os níveis da União. Dinheiro era ainda necessário para o pagamento de salários. Mas dinheiro levou ao mercado negro, corrupção e pressão para restaurar as relações capitalistas.

Desenvolvimentos chave nas forças produtivas desde 1960
Mas desde 1960 houve uma série de avanços técnicos que permitem a nós remover essas antigas objeções a economia comunista

Internet

Permite planejamento cibernético em tempo real e pode resolver o problema da dispersão de conhecimento – Objeção principal de Hayek

Big-Data

Permite a concentração da informação necessária para o planejamento.

Super-computadores

Podem resolver milhões de equações em segundos – objeção principal de von Mises

Cartões de credito

Permitem a substituição do dinheiro por créditos de trabalho não transferíveis.

Complexidade computacional

Quão fácil é resolver milhões de equações? Existem problemas que são computacionalmente intratáveis até mesmo para os maiores computadores. O planejamento econômico ou o uso do contábil do trabalho são dessa natureza? Não, não são. Em uma série de artigos [2,6,5,4,9,8], Allin Cotrell,  Greg Michaelson e eu mostramos que a complexidade computacional de calcular o valores de trabalho para uma economia inteira com N produtos distintos cresce em Nlog(N). Isso significa que é altamente tratável e facilmente resolvido por computadores modernos.

Democracia Direta

Também é possível a utilização de votos por redes de computadores e celulares para permitir controle democrático direto da população sobre a economia. Isso permitir que decisões estratégicas majoritárias sejam tomadas democraticamente, questões como: Quanto trabalho dedicar a educação? Quanto para saúde e pensões? Quanto para a proteção ambiental? Quanto para a segurança nacional? Quanto para novos investimentos?

Tudo isso pode ser feito por votação direta utilizando computadores e celulares durante o ano todo. Nós ja protótipamos software para agregar os desejos públicos dessa maneira [7,15,16,3]

Equivalencia

O princípio de Marx era que os bens não públicos deveriam ser distribuídos sobre o princípio da equivalência – você tem de volta em bens a mesma quantidade de trabalho – fora impostos – que você produziu. Dessa forma os bens são cotados em horas de trabalho. O feedback cibernético das vendas para o plano ajusta a produção às necessidades do consumidor, conforme mostrado na figura 1:

planprocess
Figura 1: Planejamento cibernético

Marx argumentou que o cálculo em termos de tempo de trabalho iria levar a grande eficiência. O sistema de salários desvaloriza o custo social real do trabalho e desencoraja o uso das maquinas mais modernas. Transição para o cálculo comunista irá levar ao uso racional do tempo de trabalho e ao crescimento mais rápido da produtividade do trabalho:

crescimento-produtividade-trabalho
Figura 2: O crescimento da produtividade do trabalho tem encolhido na última metade de século no Reino Unido. Taxas de crescimento calculadas como média móvel nos últimos 5 anos a partir dos dados do ONS para a produção por trabalhador para toda a economia.

crescimento-produtividade-internacional
Figura 3: O declínio no crescimento da produtividade é um fenômeno internacional. Dados obtidos das Extended Penn World Tables. Note que esses dados somente vão até o início da crise de 2008.

Em todo o mundo capitalista, esta lei está em vigor, retardando o crescimento da produtividade do trabalho. A classe capitalista procura trabalho barato, o que sistematicamente detém o progresso técnico. Eles demonstram uma falta de vontade crônica em investir. Economistas ortodoxos chamam isso de estagnação secular. Você pode ver o efeito deste declínio claramente na melhoria da produtividade de trabalho mostrado nas figuras 2 e 3.

Passos de transição para o primeiro estágio do comunismo.

“O proletariado usará a sua dominação política para arrancar a pouco e pouco todo o capital à burguesia, para centralizar todos os instrumentos de produção na mão do Estado, i. é, do proletariado organizado como classe dominante, e para multiplicar o mais rapidamente possível a massa das forças de produção.

Naturalmente isto só pode primeiro acontecer por meio de intervenções despóticas no direito de propriedade e nas relações de produção burguesas, através de medidas, portanto, que economicamente parecem insuficientes e insustentáveis mas que no decurso do movimento levam para além de si mesmas e são inevitáveis como meios de revolucionamento de todo o modo de produção.

Estas medidas (11*) serão naturalmente diversas consoante os diversos países. ”[13]

Apesar disso, na maioria dos países socialistas, as seguintes medidas comunistas são geralmente aplicáveis:

Medidas imediatas:

  • Unidade monetária convertida para a hora de trabalho definida pelo valor médio criado por hora.
  • Mudar o financiamento estatal de lucros de empresas estatais para o estado financiado pelo imposto de renda progressivo.
  • Legislação para garantir aos empregados o valor total nas “empresas”, após impostos.
  • Conversão das firmas privadas remanescentes em cooperativas
  • Desenvolver sistema centralizado de internet para rastrear todas as compras e vendas
  • Remover todo o dinheiro em papel e moeda, substituir por cartões de crédito eletrônicos.

Durante a preparação, a troca de mercadorias entre empresas ainda existe e as transações monetárias ainda são possíveis, mas a exploração é eliminada. Nos próximos estágios, as seguintes medidas podem ser apropriadas:

  • Eliminação da circulação privada de dinheiro, e dinheiro sendo usado somente para consumidores comprarem produtos de lojas publicas.
  • Troca de mercadoria entre empresas substituída por planejamento diretivo computadorizado.
  • Equalização das taxas salariais entre homens e mulheres e entre diferentes profissões e ofícios

O avanço técnico, em escala mundial, está sendo detido pelo sistema de salários. Há uma crescente contradição entre as relações sociais do capitalismo e o potencial das novas forças produtivas. A nova tecnologia da informação permite uma transição direta para o modo de cálculo comunista. As novas relações de produção comunistas abolirão as diferenças de classe e permitirão retomar o progresso técnico e humanitário.

Referencias:

[1] Nikola Bukharin. ABC of Communism.

[2] Paul Cockshott and Allin Cottrell. Labour value and socialist economic calculation. Economy and Society, 18(1):71-99, 1989.

[3] Paul Cockshott and Karen Renaud. Extending handivote to handle digital economic decisions. In Proceedings of the 2010 ACM-BCS Visions of Computer Science Conference, page 5. British Computer Society, 2010.

[4] W Paul Cockshott and Allin Cottrell. Economic planning, computers and labor values. conference Karl Marx and the Challenges of the 21st Century, Havana, Cuba, May, pages 5-8, 1999.

[5] W Paul Cockshott and Allin F Cottrell. Information and economics: a critique of Hayek. Research in Political Economy, 16:177-202, 1997.

[6] W Paul Cockshott and Allin F Cottrell. Value, markets and socialism. Science & Society, pages 330-357, 1997.

[7] WP Cockshott and K. Renaud. HandiVote: simple, anonymous, and auditable electronic voting. Journal of information Technology and Politics, 6(1):60-80, 2009.

[8] Allin Cottrell, Paul Cockshott, and Greg Michaelson. Is economic planning hypercomputational? The argument from Cantor diagonalisation. School of Mathematical and Computer Sciences (MACS), Heriot-Watt University Edinburgh, available at: www. macs. hw. ac. uk/ greg/publications/ccm. IJUC07. pdf (accessed December 10, 2008), 2007.

[9] Allin Cottrell, WP Cockshott, and Greg Michaelson. Cantor diagononlalisation and planning. Journal of Unconventional Computing, 5(3-4):223-236, 2009.

[10] Karl Kautsky. The social revolution. CH Kerr, 1902.

[11]Marx, K. (1847). Miséria da Filosofia . Fonte: Marxists.org: https://www.marxists.org/portugues/marx/1847/miseria/cap04.htm

[12]Marx, K. (Janeiro de 1859). Para a Crítica da Economia Política. Fonte: Marxists.org: https://www.marxists.org/portugues/marx/1859/01/prefacio.htm

[13] Karl Marx e Friederick Engels. Manifesto do partido comunista, https://www.marxists.org/portugues/marx/1848/ManifestoDoPartidoComunista/cap2.htm.

[14] Bertram Patrick Pockney. Soviet statistics since 1950. Aldershot (UK) Dartmouth, 1991.

[15] Karen Renaud and WP Cockshott. Electronic plebiscites. 2007.

[16] KV Renaud and WP Cockshott. Handivote: Checks, balances and threat analysis. Submitted for Review, 2009.

[17] M. Salvadori. Karl Kautsky and the socialist revolution, 1880-1938. Verso Books, 1990.

[18] Joseph Stalin. Economic Problems of Socialism in the USSR. Moscow, 1952.

[19]Stálin, J. V. (Setembro de 1945). Sobre o materialismo dialético e o materialismo histórico. Fonte: Marxists.org: https://www.marxists.org/portugues/stalin/1938/09/mat-dia-hist.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: